Os alemães, os planos e o Zeca Pagodinho

Muitas vezes o dia começa assim: “ qual é o plano?”. Algumas vezes eu, de fato, tenho que trabalhar, ir ao supermecado, cortar o cabelo. Mas outras vezes já me acostumei a falar: “sou brasileira, não faço planos”. Os planos. A vida como uma planilha de Excel. O maior problema de viver na Alemanha não é a língua. Está provado que só é possível filosofar em alemão mas a gente que é brasileiro dá um [...]

Decifrando o amor hipster (parte 1, a paquera)

“Ele me convidou para sair, mas foi um convite de hipster”. Entendi minha amiga na hora. Coitada, está envolvida em uma paquera hipster, um enigma, um dilema. Hipster, como se sabe, não gosta muito de nada. Não é apaixonado, é blasé. Hipster não demonstra paixão nem pelos seus óculos. Empolgação histérica nem pelo show da banda sueca que ele ama. Hipster não ama. Quer dizer, hipster ama, mas ama de um jeito hipster. O amor [...]

Isso tem que parar e é urgente!”Encoxadores” têm comunidade no Facebook.

A denúncia chegou por email. Depois postaram no meu mural. Existe um grupo no Facebook chamado “Encoxadores de plantão”. Sim. É isso mesmo. Eles usam a comunidade, com quase 200 pessoas para relatarem seus encoxamentos principalmente em transportes públicos. Vamos ser didáticos. Encoxamento é quando você está apertada no ônibus ou no metro e vem um cara e fica esfregando o pau duro na sua bunda. É nojento. É terrível. É uma puta de uma [...]

Minha casa é onde não estou (uma reflexão sobre lares)

O Facebook pergunta onde eu moro. Tento colocar três cidades: Berlim, Rio de Janeiro e São Paulo. Ele não deixa. Tenho que escolher uma. Deixo como estar. Berlim. O site não entende que uma pessoa pode escolher três cidades porque nasceu em uma, tem que trabalhar na outra e que o coração reside, há quatro anos, em uma cidade que foi escolhida por coração. Minha pátria é onde não estou, dizia o Fernando Pessoa. E [...]

Eu viajo sozinha em todos os sentidos. Amém.

Senhor, livrai me de ser uma pessoa dependente. Livrai me de estar sempre grudada em um namorado ou em um bolo de amigos. De não conseguir me divertir sozinha. Amém. Livrai me das roupas iguais, dos cobertos combinandinhos. O homem criou o Zolott, que me ajuda a controlar minha síndrome de pânico PARA ISSO. Para que eu possa vagar. Para que eu vá ao cinema ver o filme QUE EU QUERO. Para que eu me [...]